TIPOS DE CANCER DE MAMA


Câncer de mama não é tudo igual. Há os mais e os menos agressivos, e os que crescem mais ou menos rápido, por exemplo. Uma série de características vai permitir ao médico indicar o tratamento mais adequado, aquele com maior chance de trazer a cura no menor tempo possível, minimizando os riscos de recaída. Muitas vezes, porém, a paciente não fica sabendo o que significam tantos termos técnicos e quais são suas implicações, o que tende a aumentar ainda mais sua angústia nesse momento tão delicado.

DUCTAL OU LOBULAR
As primeiras informações sobre o tipo de tumor costumam vir no resultado da biópsia, que informa se o carcinoma (que é sinônimo para câncer de mama) é ductal ou lobular, classificação que diz respeito ao local da mama onde se originou o tumor.

As mamas são glândulas formadas por lobos, que se dividem em estruturas menores chamadas lóbulos e ductos mamários.

O tipo mais comum é chamado carcinoma ductal, porque se origina nas células dos ductos mamários. Já o carcinoma lobular, menos comum, tem origem nas células dos lóbulos mamários.

IN SITU E INVASOR
Além de ser lobular ou ductal, o tumor poderá ser também in situ ou invasor. Essa classificação indica se ele está contido num ponto específico da mama ou se já começou a se espalhar pelo órgão. “O tumor é revestido por uma membrana”, explica o médico Pedro Aurélio Ormonde do Carmo, chefe do serviço de mastologia do Hospital Câncer III, do Instituto Nacional do Câncer - Inca. “Se essa membrana não foi rompida e as células tumorais estão contidas dentro do nódulo, temos um carcinoma in situ. Se elas já atravessaram essa membrana, falamos de carcinoma invasor”. Todo tumor in situ, se não for tratado, tende a evoluir para invasor, completa o especialista. Por isso, a importância do diagnóstico precoce.

O câncer de mama pode ser ainda do tipo inflamatório, que é uma forma de apresentação incomum dos carcinomas invasores. “É um tipo mais agressivo, com mais risco de metástase”, afirma Ormonde do Carmo. O carcinoma inflamatório afeta cerca de 2,5% das pacientes e se diferencia dos demais pelo fato de deixar a mama inchada e avermelhada, podendo a pele adquirir o aspecto de casca de laranja. Isso acontece porque as células tumorais se disseminaram pelos vasos linfáticos da pele que recobre a mama.

RECEPTORES HORMONAIS
Seja ductal ou lobular, in situ ou invasivo, todos os tumores de mama devem ser testados quanto à presença de receptores para os hormônios femininos estrógeno e progesterona. Receptores são proteínas localizadas na superfície externa da célula. No caso dos receptores hormonais, sua presença indica que o tecido tumoral se prolifera em resposta a esses hormônios. “Essa informação é muito importante para o tratamento”, afirma o especialista do Inca. “Os tumores que são positivos para receptores hormonais têm melhor prognóstico, ou seja, são mais fáceis de curar”, acrescenta.

Cerca de 60% dos casos de câncer de mama são positivos para receptores de estrógeno e/ou progesterona. O teste avalia a presença de cada receptor separadamente. Se o resultado for positivo para algum deles ou para ambos, a paciente passa a receber, além do tratamento convencional (quimio e radioterapia, por exemplo), a chamada hormonioterapia, que impede o acoplamento do hormônio com seu receptor, retardando o crescimento tumoral. Normalmente, a medicação leva a uma interrupção temporária dos ciclos menstruais.

HER2 POSITIVO
Tão indispensável quanto o exame para receptores hormonais é o teste para o receptor HER2, que também é uma proteína localizada na membrana das células. “Em até 25% dos casos de câncer de mama, essa proteína aparece em excesso, indicando que se trata de um tumor mais agressivo, ou seja, o risco de recaída, após o tratamento convencional, é bem maior”, explica o oncologista Aman U. Buzdar, oncologista do MD Anderson Cancer Center, da Universidade do Texas, que esteve em São Paulo em setembro passado para um congresso organizado pelo Hospital A. C. Camargo.

Tal como os receptores hormonais, a positividade para HER2 implica no uso de uma medicação específica que se somará ao tratamento e cujo objetivo também é bloquear o receptor, diminuindo a velocidade de crescimento do tumor. Segundo Buzdar, nos casos em que a doença está em estágio inicial, o tratamento específico pode reduzir o risco de recorrência da doença em até 50%. “É muito importante que a paciente cobre do médico o teste de HER2”, completa o especialista.

TRIPLO NEGATIVO
Um tumor de mama pode ser positivo para estrógeno, progesterona e HER2. Ou pode ser positivo apenas para um ou dois desses receptores. Ou pode, ainda, ser negativo para todos eles, no que os oncologistas chamam de tumor triplo negativo. “São tumores mais agressivos”, afirma Ormonde do Carmo. “Como não há um receptor para atacar com medicamentos específicos, o tratamento é mais difícil”, acrescenta. Por outro lado, essas pacientes respondem melhor à quimioterapia. Os tumores triplo negativo representam cerca de 15% dos casos de câncer de mama.

MASTECTOMIA RADICAL OU CONSERVADORA
As características do tumor têm pouco efeito na decisão do mastologista sobre qual é o tipo de mastectomia mais indicado para cada paciente, se completa (radical) ou parcial (conservadora), explica Ormonde do Carmo. Tampouco é apenas o tamanho do tumor o principal fator a ser considerado. “O que importa é a relação entre o tamanho da mama e o da lesão.” Assim, uma mulher que usa sutiã número 38 e tem um tumor de 2 cm provavelmente fará uma mastectomia radical, enquanto outra, que usa sutiã 54 e está com um tumor de 5 cm, fará uma cirurgia conservadora, exemplifica o especialista. Ele esclarece que, como é preciso retirar o tumor e uma margem de tecido ao redor dele, muitas vezes as mamas menores são prejudicadas, porque o resultado estético da cirurgia conservadora não seria bom, por isso é melhor retirá-la por inteiro.

Independentemente da cirurgia e do tipo de câncer de mama, as lições que ficam são pelo menos duas. Em primeiro lugar, estar bem informada é fundamental. Conhecer as características do tumor diagnosticado é importante para discutir com o médico todas as decisões tomadas durante o tratamento. Em segundo, o diagnóstico precoce é vital em qualquer situação. Seja o tumor mais ou menos agressivo, quando descoberto em estágio inicial, as chances de curá-lo são sempre muito maiores. Para isso, a mamografia anual a partir dos 40 anos é indispensável.

ALIMENTAÇAO ADEQUADA.

Cuidar da alimentação previne obesidade e câncer06/07/2009

A obesidade tem suas raízes no sedentarismo e nos maus hábitos alimentares típicos da vida moderna. Até aí nenhuma novidade. E a solução contra esse mal, como todos também sabem, é praticar exercícios e escolher muito bem o que se come, resistindo às tentações que estão em toda parte. Nem sempre é fácil, mas, na busca de motivações para manter a saúde, talvez ajude saber que se manter magra e saudável diminui não só o risco de doenças cardiovasculares, mas também de alguns tipos câncer, entre eles o de mama.

Segundo muitos especialistas, aliás, a epidemia de obesidade tem contribuído para o aumento da incidência do câncer de mama. “Enquanto na década de 1970 cerca 6% das brasileiras eram obesas, nos anos 1990 esse número dobrou”, explica a mastologista Fabiana Baroni Makdissi, do Hospital A.C. Camargo, em São Paulo. Mas qual a relação entre excesso de peso e câncer?

O tecido adiposo não é apenas um conjunto de células destinadas a acumular gordura. Ele também se comporta como uma glândula e, como tal, produz hormônios sexuais, como o estrógeno, normalmente em pequenas quantidades. Quando a pessoa engorda, essa produção aumenta na mesma medida. E excesso desses hormônios na corrente sanguínea predispõe ao aparecimento de tumores de mama e de endométrio (parede interna do útero).

MENOPAUSA E EXCESSO DE PESO
A situação se complica ainda mais depois da menopausa. Quem explica é a oncologista Maria Del Pillar Esteves Diz, do Instituto do Câncer de São Paulo Otávio Frias de Oliveira: “Durante a fase reprodutiva da mulher, são os ovários que produzem a maior parte do estrógeno. Depois da menopausa, a presença desse hormônio na circulação cai muito, embora nunca chegue a zerar, justamente por causa da atividade do tecido adiposo. Acontece que, quando a mulher está acima do peso, os níveis de estrógeno ficam acima do desejado. O resultado é uma superestimulação do endométrio e do tecido mamário, numa fase da vida em que isso não deveria acontecer”.

O problema é que, justamente depois da menopausa, a mulher tem mais facilidade de engordar, porque há uma diminuição do metabolismo. Como o gasto energético é menor, se ela continuar comendo igual, o resultado é o ganho de peso, explica Fabiana Makdissi.

Solução: queimar calorias em exercícios físicos regulares, mesmo que moderados, e selecionar muito bem o que levar à boca. E isso vale também para as mulheres que ainda estão distantes da menopausa, porque, como vai ser mais difícil emagrecer depois dela, o ideal é chegar lá magra, sugerem as médicas.

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL
Vale lembrar que mudar os hábitos alimentares também ajuda a prevenir diversos outros tipos de câncer. Cerca de 30% dos principais tipos de tumor poderiam ser evitados dessa forma, segundo o nutricionista Fábio da Silva Gomes, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), e analista de programas para controle de câncer do Instituto Nacional de Câncer (Inca).

A receita inclui reduzir a ingestão de gordura, açúcar e carboidratos em geral, abusar de frutas e hortaliças sem amido (não valem batata e mandioca, por exemplo). Limite o consumo de carne vermelha a um ou dois dias por semana e sempre prefira as assadas ou cozidas. Grãos e cereais são muito bem-vindos, desde que bem armazenados, porque a umidade favorece o crescimento de fungos, que podem causar doenças.


DICAS PARA UMA ALIMENTAÇÃO EQUILIBRADA

Menos açúcar e carboidratos, e a recompensa na balança
Reduza o consumo de alimentos muito energéticos, como biscoitos, doces, bebidas açucaradas e todo tipo de fast food.

Frutas e hortaliças protegem
Consuma pelo menos cinco porções (o equivalente a 400 gramas) de frutas e hortaliças sem amido (ou seja, batata, mandioca e outros tubérculos não valem). Esses alimentos oferecem proteção contra agentes cancerígenos e inibem o crescimento de células precursoras de câncer.

Pouca carne vermelha, melhor assada ou cozida
Limite o consumo de carne vermelha (no máximo 500 gramas por semana) e também evite carnes processadas ou salgadas (o que inclui os embutidos e defumados). Esses produtos contêm nitritos e nitratos, que podem dar origem a outros compostos com potencial cancerígeno. Além disso, o sal em excesso pode causar danos às mucosas. Prefira carnes assadas ou cozidas. As carnes “na chapa”, como o churrasco, costumam conter alcatrão e outras substâncias que aumentam o risco de câncer.

Muitos grãos e cereais, desde que bem armazenados
Abuse dos grãos e cereais, mas cuidado com sua conservação. A umidade favorece o crescimento de fungos, que produzem substâncias que podem causar diversas doenças.

CONSULTAS......

Câncer de mama. Como se preparar para uma consulta médica?

Câncer de mama. Como se preparar para uma consulta médica?

Quais profissionais devo consultar?

As mulheres com câncer de mama precisam de um acompanhamento com vários profissionais de saúde. Além dos cuidados primários com seus ginecologistas e clínicos gerais, precisam do acompanhamento de outros profissionais, incluindo:


O que fazer para se preparar para a consulta?

Atitudes simples ajudam a aproveitar melhor o momento da consulta médica. São elas:

  • Escreva os sintomas que você está apresentando, incluindo aqueles que não parecem estar relacionados ao motivo da consulta.
  • Escreva informações pessoais relevantes, incluindo algum estresse ou mudança recente na sua vida.
  • Conheça e escreva a sua história familiar de câncer. Anote quais membros da sua família já tiveramcâncer, qual a relação de cada familiar com você, o tipo de câncer que eles tiveram, a idade dodiagnóstico e se cada um sobreviveu ou não.
  • Faça uma lista de todas as medicações que está usando, assim como das vitaminas ou suplementos alimentares.
  • Guarde todos os dados sobre o diagnóstico e o tratamento do seu câncer. Organize estes dados em uma pasta, em um formulário ou em um prontuário eletrônico, de maneira que você possa levá-los a todas as consultas médicas. Junte a estas informações os exames complementares que você já fez.
  • Vá às consultas acompanhada por um familiar ou amigo, sempre que for possível. Algumas vezes pode ser difícil absorver todas as informações que o médico fornece no consultório. Esta pessoa pode te ajudar, lembrando de algo que você tenha esquecido.

Quais são as dúvidas mais comuns sobre os tumores na mama?

Outras pessoas que já viveram esta condição tiveram dúvidas semelhantes às suas. Anote as suas questões e esclareça-as com o seu médico.

Perguntas comuns que outras pessoas já fizeram aos seus médicos são:

  • Qual tipo de câncer de mama eu tenho?
  • O que é estadiamento de um tumor?
  • Qual é o estadiamento do meu tumor?
  • Você pode me explicar o que o tumor que eu tenho representa?
  • Eu preciso fazer algum outro exame?
  • Quais opções de tratamento eu tenho?
  • Quais são os efeitos colaterais dos medicamentos que preciso receber?
  • Como cada um desses tratamentos afeta a vida no dia-a-dia? Vou poder continuar trabalhando?
  • Qual é o tratamento mais recomendado?
  • Como saber se este tratamento vai me trazer benefícios?
  • O que você recomendaria para um amigo ou familiar seu na minha situação?
  • O que acontece se eu não quiser tratar o meu câncer?
  • Há algum material impresso que eu possa consultar a respeito da minha condição?

Não hesite em perguntar qualquer dúvida que apareça ao seu médico. Ele é a pessoa mais indicada para orientá-la e solucionar suas questões.


CONVERSE COM SEU MÉDICO. SEMPRE, EM TODAS AS CONSULTAS. NÃO LEVE DUVIDAS PARA SUA CASA.FIQUE ATENTA.

Estudos mostram que pacientes informados sobre o câncer e seus tratamentos, tendem a enfrentar melhor essa fase e até a apresentar menos efeitos colaterais quando comparados àqueles que simplesmente seguem as orientações médicas.

Sabemos que a informação ajuda os pacientes a se sentirem mais seguros e participativos em seus tratamentos.

Pergunte. Isso é seu direito!

Orientações gerais:

Não leve dúvidas para casa. Aproveite o tempo da consulta para esclarecê-las.

· Durante a consulta, se você não estiver entendendo o que o seu médico está lhe dizendo, fale para ele. É muito importante que você não saia da consulta com dúvidas. Elas vão lhe preocupar em casa.

· Tudo é muito novo, e o médico vai, com certeza, utilizar muitos termos que você não tem a menor idéia do que são. Se você falar que não entendeu, ele pode tentar explicar de outra forma (por exemplo, utilizando uma figura ou fazendo um desenho).

· Tenha uma agenda só para o seu tratamento. Serão muitas consultas (muitas vezes com vários profissionais), exames, quimioterapias ou radioterapias. Use esta agenda para anotar as dúvidas que forem surgindo durante o tratamento.

· No dia do retorno, comece esclarecendo as suas dúvidas. Se puder, anote as respostas ou peça para o seu acompanhante anotar.

· Seja paciente. Várias consultas serão necessárias para que vocês (médico e paciente) estabeleçam uma boa relação. Para que você comece a entendê-lo.

· Caso você queira obter mais informações sobre o seu caso, peça para o seu médico lhe sugerir sites ou livros.

· Caso você queira obter uma segunda opinião médica, você também pode avisar o seu médico. É um direito seu.

Sugestões de perguntas para o tratamento do câncer de mama:

· Qual é o tipo do meu câncer de mama? É um tumor localizado ou invasivo?

· Qual é o tamanho do tumor?

· Quantos linfonodos foram encontrados?

· O câncer de mama pode se espalhar para outras partes de meu corpo?

· Qual é o estágio do meu câncer de mama?

· Quais as minhas opções de tratamento para esse câncer de mama?

· Qual é o melhor tratamento para o meu caso? Vou precisar fazer quimioterapia e radioterapia? Como funcionam esses tratamentos?

· Quais os efeitos colaterais deste tratamento para o câncer e qual é o risco deste tratamento?

· Como este tratamento para o câncer de mama me beneficiará?

· Este tratamento pode afetar a minha vida diária? De que forma? Eu serei capaz de trabalhar, de me exercitar e realizar minhas atividades normais?

· O que devo fazer caso o tratamento para o câncer cause desconforto?

· Qual é a previsão de duração do tratamento? Quantos meses, a principio, vai durar o tratamento?

· Devo seguir alguma dieta durante o tratamento?

· Precisarei fazer quais tipos de exames e com que freqüência? Ficarei internada no hospital?

· Posso fazer reconstrução mamária? Em que momento? A quem devo procurar nesse caso? Quais são as técnicas cirúrgicas mais adequadas para a reconstrução mamária? Como vai ficar minha mama, depois da reconstrução?

· Eu posso apresentar linfedema? Se sim, como reduzir esse risco?

· Como será o nosso acompanhamento durante o tratamento para o câncer? De quanto em quanto tempo nos encontraremos?

· Para quem posso ligar quando tiver dúvidas ou problemas?

· Em que situações eu devo ligar?

· Quais são minhas chances de cura?

· Quando terei certeza de que meu câncer não voltará mais?

· O que devo fazer para conseguir me sentir mais seguro e confiante durante o tratamento?

· De quanto em quanto tempo, depois que acabar o tratamento, terei que fazer exames? Que exames serão?

PARA VC QUE E´MARIDO, NAMORADO, COMPANHEIRO ,DE UMA MULHER COM CANCER DE MAMA.

Preparamos estas orientações para que você seja um grande e especial companheiro neste momento da vida da pessoa que você ama.

1- Esteja sempre ao lado DELA!

Este é um momento no qual ela precisará muito de seu ajuda e compreensão. Altos e baixos virão e você deverá auxiliá-la a superar. Dedique-se a cuidar de quem você ama.

2- Defenda sempre o melhor tratamento

O tratamento oncológico pode ser, em muitos casos, extremamente burocrático. A cobertura do convênio ou a busca por hospitais da rede pública de saúde requerem uma “luta diária” e em alguns casos, um pouco de paciência. Desta forma, tente, na medida do possível, se responsabilizar por todos esses tramites. Além disso, procure informar-se sobre os direitos do paciente com câncer. Isso poderá lhe dar uma maior tranqüilidade e segurança. Lembre-se que a informação é uma grande aliada em todos os momentos.

3- Seja organizado

Tente ajudá-la a organizar todos os laudos médicos, receitas de medicamentos, documentos que atestam a doença e todos os procedimentos em uma pasta, tipo fichário. Nem todos os documentos são importantes, mas existem alguns que não podem ser perdidos. Seja o mais organizado possível.

4- Saiba que “Não é com você!”

Caso ela esteja demonstrando muita raiva ou muita frustração, saiba que isso não é com você. Isso é muito comum em algumas fases da doença. Nessa hora, fique por perto, mesmo que seja em silêncio e lhe dê apoio. Dessa forma, você estará permitindo que ela expresse seus sentimentos e reclamações. Com toda certeza, ela vai se sentir melhor.

Fique de olho aos sinais e sintomas da depressão. Se você acha que ela está depressiva, ajude-a a encontrar um adequado suporte emocional, que pode ser um psiquiatra (caso se trate de uma depressão que precisa ser medicada) ou um psicólogo. Converse com o médico que está acompanhando o caso.

5- Reorganize as tarefas diárias

Durante todo o tratamento, algumas mudanças e adaptações deverão ser feitas por todos os membros da família. Tente, na medida do possível, deixar a rotina diária mais parecida possível com o que era antes do tratamento. Entenda que ela pode precisar de ajuda para fazer algumas coisas que costumava fazer antes. Inclusive, pode ser que você precise assumir algumas de suas responsabilidades.

Para o seu próprio bem-estar, peça ajuda dos outros membros da família ou de amigos. Delegue tarefas e pergunte quem pode fazer o quê. Situações simples como fazer o supermercado ou pagar uma conta no banco podem ajudar muito.

Atenção: você não precisa dar conta de tudo sozinho, peça ajuda..

6 - Seja sempre sincero

Não falte com a verdade dizendo que não há nada com que se preocupar.

7- Mudanças na sexualidade do casal

A sexualidade é um dos pilares para a construção de uma boa qualidade de vida. Durante o tratamento contra o câncer, o paciente vive situações físicas que podem interferir na sua vida sexual. As modificações no corpo (diminuição da libido, secura vaginal e falta de apetite sexual) durante o tratamento e as alterações no humor (depressão, ansiedade, tristeza, etc) do paciente acabam trazendo consequências não apenas para a vida do paciente, mas para a vida do casal. Ela pode sentir-se cansada ou preocupada demais para pensar nesse assunto. Isso é normal e bastante comum entre os pacientes.

Alguns transtornos decorrentes do tratamento são passageiros e outros podem ser diminuídos ou eliminados com apoio médico e psicoterápico, ajudando-o a superar as dificuldades e encontrar novas formas de convivência. Diante dessa situação, é muito importante que vocês conversem sobre isso. Se preferir, procure ajuda de um profissional da área, um psico-oncologista pode ajudar.

8- Saiba pedir ajuda

Ver alguém que você ama doente é muito difícil, são várias as emoções que você pode sentir neste momento e por isso, você também precisa de um espaço para falar sobre os seus sentimentos, preocupações e inseguranças. Muitas vezes, uma boa opção pode ser conversar com um amigo ou com alguém que esteja passando pela mesma situação. Mas, se possível, procure um psicólogo. Não vá esperando respostas e soluções, um dos objetivos do psicólogo é lhe proporcionar um espaço neutro de escuta e acolhimento para os seus sentimentos e angústias.

9- Tire um tempo pra você

Mesmo que seja somente uma horinha, marque um café com um amigo, vá cortar o cabelo, fazer as unhas, uma massagem ou vá ao cinema. Saiba que tirar esse tempo para você é importante, pois lhe dará mais ânimo e capacidade de continuar cuidando da pessoa que você ama.

10- Cuide de sua saúde física e mental

É muito comum os cuidadores descuidarem da sua própria saúde enquanto providenciam o melhor cuidado possível para a pessoa amada. Alguns desses problemas são encontrados freqüentemente entre cuidadores: altos índices de depressão, sintomas de estresse, uso de psicotrópicos e redução no nível de imunidade.

Lembre-se: Não negligencie a sua saúde, isso pode deixá-lo vulnerável ou até mesmo doente.

BOM DIA!!!!!!

28 de Julho

"Ouve, Senhor, a minha oração, escuta-me quando grito por socorro; não te emudeças à vista de minhas lágrimas." Salmo 39.12

O silêncio de Deus em nossa vida pode ter vários motivos. Por exemplo, se apesar da nossa oração não queremos admitir toda a verdade: "Jesus, porém, guardou silêncio." O sumo sacerdote, que interrogou a Jesus, queria admitir a mentira, e não reconhecer a Jesus mesmo como "a verdade". Preferiram procurar falso testemunho contra Ele. O problema de muitos crentes é que, na verdade, eles oram invocando a Deus para pedir-Lhe ajuda, dizendo como gostariam de ser santificados, mas mesmo assim ainda não estão dispostos a obedecer àquilo que o Senhor lhes mostra acerca de suas vidas interiores. É nesse ponto que o Senhor silencia, e Seu silêncio é a mais profunda resposta.

Um outro motivo é quando Ele não tem mais muito a nos dizer: "E de muitos modos o interrogava; Jesus, porém, nada lhe respondia." O rei Herodes pensava que como rei poderia começar uma interessante discussão com o Rei dos reis. Mas Jesus não lhe respondeu nada. Por que não? Porque Herodes não se preocupou com um encontro de coração com Jesus. Este é o motivo por que você também não recebe resposta. Você procura os milagres do Senhor ou a pessoa do Senhor? Quer a ajuda ou o Ajudador?


Extraído do livro "Pérolas Diárias" (de Wim Malgo)

BOM DIA!!!!!!!!!!!!

As vezes é necessário a dor para nos fazer parar e nos fazer lembrar que temos uma cabeça e um coração, um coração que ora é tão duro quanto uma pedra e ora se mostra tão frágil quanto um recém nascido.
Hoje estou triste, Deus sabe o porque. As tristezas não são explicadas , são vividas e percebidas. Esse é o tempo em que as palavras tentam pular nas nossas cabeças golpeando nossas cordas vocais e por almejar sair, por almejar ganhar significados, ela acaba por se perder no caminho entre a cabeça e a garganta.
Estas palavras perdidas vagam, as vezes por muito tempo em uma grande cena de silêncio (seja por mal entendidos, por erros, pelo passado ou pela dor).
Mas um dia sabemos que isso passará não importa quanto tempo dure o silencio, sabemos que passará. Existe uma força chamada Vida que clama, que convida borboletas para fazer parte do mundo secreto das palavras, e quando elas começam a sair, e a voar, não existe mais nada que as façam parar...

VEJAM QUE LINDO.......FOI MINHA AMIGA QUERIDA QUE SE CHAMA ELENICE QUE ENVIOU....ESTOU FELIZ!!!!!!

-:¦:-ﻶﻉﭻჱﭻﻉﻶ-:¦:-ﻶﻉﭻჱﭻﻉﻶ-:¦:-ﻶﻉﭻჱﭻﻉﻶ-:¦:-|
|.   Se em cada lugar do mundo   .|
|.  existir pessoas como VOCE,   ..|
|.  O sol terá mais motivos para   ...|
|.      BRILHAR e a       .|
|.  amizade um motivo certo para  ...|
|.      EXISTIR !!!        .|
|-:¦:-ﻶﻉﭻჱﭻﻉﻶ-:¦:-ﻶﻉﭻჱﭻﻉﻶ-:¦:-ﻶﻉﭻჱﭻﻉﻶ-:¦:-|
♥¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯♥
ॐ♥ஜ______ஜॐ♥ஜ______ஜॐ♥ஜ______ஜॐ♥ஜ
“Que todos os Dias quando
    Você acordar... Receba dos
     Céus a Bênção de ter
      sempre por perto as
       Pessoas que te Amam...
      ஜॐ♥ஜ______ஜॐ♥ஜ______ஜॐ♥ஜ______ஜॐ♥.
ﺅﺊﺋﺋﺅﺊﺋ♥ﺅﺊﺋﺋﺅﺊﺋ
ﺅﺊﺋ♥ﺅﺊﺋﺋﺅﺊﺋ♥ﺅﺊﺋﺋﺅﺊﺋ♥ﺅﺊﺋﺋﺅﺊﺋ♥ﺅﺊﺋﺋﺅﺊﺋ♥ﺅﺊﺋﺋﺅﺊﺋ♥ﺅﺊﺋ♥ﺅﺊﺋﺋﺅﺊﺋ♥ﺅﺊﺋﺋﺅﺊﺋ
     A grande arte da Vida é Acordar depois de...
     um Sonho, levantar depois de um...
       Tombo, sorrir depois de uma Decepção...
          e nunca se Desanima

EM TEMPO:


QUERO CORRIGIR UM ERRO " ORTOGRAFICO:"

HIPERTENSÃO É REALMENTE COM "S". E EU FIZ A BOBAGEM DE COLOCAR ERRADO.ACHO QUE FOI O SONO......ERA MADRUGADA E AS VEZES FICO CONFUSA.....

DESCULPA AMIGO LUIS.
PROMETO FICAR MAIS ATENTA.

O TEMPO DE DEUS....

O TEMPO DE DEUS

Deparei-me com este texto bíblico que compartilho com vocês.
“Tudo tem seu tempo.
Há um momento oportuno para cada coisa debaixo dos céus:
tempo de nascer e tempo de morrer;
tempo de plantar e tempo de arrancar o que foi plantado;
tempo de matar e tempo de curar;
tempo de destruir e tempo de construir;
tempo de chorar e tempo de rir;
tempo de lamentar e tempo de dançar;
tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntá-las;
tempo de abraçar e tempo de se afastar dos abraços;
tempo de procurar e tempo de perder;
tempo de guardar e tempo de jogar fora;
tempo de rasgar e tempo de costurar;
tempo de calar e tempo de falar;
tempo de amor e tempo do ódio;
tempo da guerra e tempo da paz.”
(Ecl 3,1-5)

Vivamos cada um dos tempos que Deus nos proporciona. Com alegria e humildade quando for o tempo de florir. Com confiança e esperança quando nos vier o tempo de poda. E sempre, com a certeza de que tudo passa!

Quem sou eu

Minha foto
SOU COMO VOCE ME VE. POSSO SER LEVE COMO UMA BRISA,OU FORTE COMO UMA VENTANIA. DEPENDE DE QUANDO E COMO VC ME VE PASSAR. Clarice Lispector

Seguidores